Filosofia | Ego e Egoismo (2022)

Table of Contents
Ego e Egoismo Aristóteles

Ego e Egoismo

Filosofia | Ego e Egoismo (1)

Ego (em alemão ich, "eu") designa na teoria psicanalítica uma das três estruturas do modelo triádico do aparelho psíquico. O ego desenvolve-se a partir do Id com o objetivo de permitir que seus impulsos sejam eficientes, ou seja, levando em conta o mundo externo: é o chamado princípio da realidade. É esse princípio que introduz a razão, o planejamento e a espera no comportamento humano. A satisfação das pulsões é retardada até o momento em que a realidade permita satisfazê-las com um máximo de prazer e um mínimo de conseqüências negativas.

A principal função do Ego é buscar uma harmonização inicialmente entre os desejos do Id e a realidade e, posteriormente, entre esses e as exigências do superego.

O Ego não é completamente consciente, os mecanismos de defesa fazem parte de um nível inconsciente.

Superego (al. Überich, "supereu") designa na teoria psicanalítica uma das três instâncias dinâmicas do aparelho psíquico. É a parte moral da mente humana e representa os valores da sociedade.

O superego divide-se em dois subsistemas: o ego ideal, que dita o bem a ser procurado; e a consciência moral (al. Gewissen), que determina o mal a ser evitado.

O superego tem três objetivos:

1 - inibir (através de punição ou sentimento de culpa) qualquer impulso contrário às regras e ideais por ele ditados (consciência moral);

2 - forçar o ego a se comportar de maneira moral (mesmo que irracional) e

3 - conduzir o indivíduo à perfeição - em gestos, pensamentos e palavras (ego ideal).

O superego forma-se após o ego, durante o esforço da criança de introjetar os valores recebidos dos pais e da sociedade a fim de receber amor e afeição. Ele pode funcionar de uma maneira bastante primitiva, punindo o indivíduo não apenas por ações praticadas, mas também por pensamentos; outra característica sua é o pensamento dualista (tudo ou nada, certo ou errado, sem meio-termo).

Costuma dizer-se que "o superego é o herdeiro do complexo de Édipo", uma vez que é nesse ponto que se dá a primeira censura ou corte através do tabu do incesto. Os psicopatas têm um id dominante e um superego muito reduzido, o que lhes tolhe o remorso, sobressaindo a falta de consciência moral

O superego nem sempre é consciente, muitos valores e ideais podem ser despercebidos pelo eu consciente.

Egoismo
(in. Egoism; fr. Égoisme; al. Egoismus, ital. Egoismo).

1. Termo criado no séc. XVIII para indicar a atitude de quem dá importância predominante a si mesmo ou aos seus próprios juízos, sentimentos ou necessidades, e pouco ou nada se preocupa com os outros. Platão já achava que o "amor desmesurado por si mesmo" (que nada tem a ver com a filáucia de que falava Aristóteles, V. amor de si) é a causa de todas as culpas dos homens (Leis, V, 731e). Muitas vezes o egoísmo foi considerado atitude natural do homem. Diz Kant: "A partir do dia em que o homem começa a falar em primeira pessoa, ele passa a pôr seu querido eu na frente de tudo, e o egoísmo progride incessantemente, sub-reptícia ou abertamente (por sofrer a oposição do egoísmo dos outros)" (Antr., I, § 2). Aliás, antes de Kant, Adam Smith (Teoria dos sentimentos morais (1759) e os moralistas franceses tinham visto no egoísmo uma das emoções fundamentais do homem. Vauvenargues, que chama o egoísmo de "amor próprio", distingue-o do amor de si(y.), que é a filáucia de Aristóteles (De l'esprit humain, 24). Kant distingue três formas de egoísmo: egoísmo lógico, de quem não acha necessário submeter seu próprio juízo ao juízo alheio; egoísmo estético, que se satisfaz com seu próprio gosto; egoísmo moral, de quem restringe todos os fins a si mesmo e não vê utilidade no que não lhe traz proveito. Além dessas três espécies de egoísmo, Kant distingue o egoísmo metafísico, que responde negativamente à pergunta: "eu, como ser pensante, tenho razão de admitir, além da minha existência, também a de um todo de outros seres que estão em comunhão comigo?" (Antr., I § 2).

A antítese entre egoísmo e altruísmo e a predição do futuro triunfo do altruísmo são típicas da ética positivista. O positivismo cunhou a palavra altruísmo e, ao lado dos instintos egoísticos, admitiu a existência de instintos altruístas destinados a prevalecer com o progresso moral da humanidade (Comte, Catéchisme positiviste, pp. 48 e ss.; Spencer, Data of Ethics, § 46). Por outro lado, Stirner e Nietzsche sustentaram a moral do egoísmo. Stirner chamou seu anarquismo de egoísmo absoluto, que consiste na afirmação de que o indivíduo é a única realidade e o único valor (Der Einzige und sein Eigentum, 1845). Nietzsche por sua vez dizia: "O egoísmo é parte essencial da alma aristocrática e por egoísmo entendo a fé inquebrantável em que outros seres devem sujeitar-se e sacrificar-se pelo ser que «os somo? (Jenseit von Gut und Böse, 1886, § 265). Scheler deu a melhor caracterização do egoísmo, distinguindo-o do amor de si ou filáucia. O egoísmo, segundo diz, não se dirige ao eu individual como objeto de amor desvinculado de todas as relações sociais. O egoísta não se comporta como se estivesse só no mundo, mas está tão absorvido por seu eu social que se apega somente aos seus próprios valores ou àqueles que podem tornar-se seus. Essa atitude é o contrário do amor de si, dirigido principalmente aos valores por si mesmos (Sympatbie, II. cap. I, § 1).

2. O mesmo que solipsismo. [Abbagnano]

O egoísmo, (do lat. ego, eu), atitude intelectual do que limita tudo a si. — No plano metafísico, o egoísmo é a doutrina que considera a existência dos outros como ilusória, ou, ao menos, duvidosa; essa acepção metafísica encontra-se atualmente abandonada. Em psicologia, o egoísmo designa a tendência (legítima, de resto) do indivíduo a defender-se, a manter-se, a desenvolver-se. Nesse sentido, é somente um aspecto do instinto de conservação. Até aqui, o termo não é absolutamente pejorativo. Só pode ser classificado dessa maneira quando designa, no sentido estreito, o interesse excessivo do indivíduo em si próprio, indo até ao desprezo dos interesses alheios. Toma então o caráter de uma anomalia, de um fator de insocia-bilidade, mesmo quando se alarga em "egoísmo a dois" (o casal) ou em "egoísmo a três" (o casal e o filho). No plano moral, o egoísmo opõe-se ao altruísmo, isto é, à compreensão do outro, à generosidade; denomina-se então egocentrismo, individualismo, e opõe-se a qualquer espécie de "engajamento" em geral. [Larousse]

Local original do texto

Aristóteles

Moral a Nicômaco · livro nono, capítulo VIII
Do egoísmo ou o amor-próprio.

Você já se perguntou se você deve amar a si mesmo em detrimento de qualquer outra coisa, ou se é melhor amar o outro, porque censurar normalmente aqueles que se amam muito próprio, e são chamados de egoístas, como a constrangê-los por esse excesso. Realmente o único homem mau pensamento próprio trabalho, e quanto mais o mal é, mais você aumente esse vício, e assim por injúrias aquele que nunca faz nada fora do que lhe interessa. Um bom homem, pelo contrário, só para fazer um bom trabalho, e quanto mais honesto você faz, mais se dedica exclusivamente a fazer o bem, e, no caso de seu amigo, mesmo se esquece de seu próprio interesse.

Mas diz-se que os fatos contradizem todas essas teorias sobre o egoísmo, e isso não é difícil de entender. Com certeza, devemos amar acima de tudo, que é o seu melhor amigo, ser o melhor amigo que quer mais sinceramente o bem do seu amigo pelo próprio amigo, mas caso contrário, ninguém no mundo deveria saber. Mas estas são precisamente as condições a serem cumpridas quando se trata de si mesmo, bem como [256] dar a este relacionamento também em todas as outras condições, tendo em vista o normalmente definido o verdadeiro amigo, porque já concedida, que todos os sentimentos de amizade a toda a peça individual de derrame depois do outro. Os provérbios si concordam conosco pode ser mencionado o seguinte: "uma alma entre amigos tudo é comum, a amizade é a igualdade;-o joelho está mais perto do que a perna." Mas todas essas expressões se manifestam, principalmente, a relação do indivíduo consigo mesmo. E assim, o indivíduo é seu próprio amigo mais perto do que qualquer outro, e é o próprio que, especialmente, precisam de amor.

Ele se perguntou, não sem razão, que estas duas soluções diferentes devem ser seguidos, pois ambos igual inspirar confiança.

Pode ser suficiente para distinguir estas afirmações, e para mostrar a verdade, e o tipo de verdade que cada contidas. Se explicar o que se entende por egoísmo nos dois sentidos em que essa palavra é tomada alternadamente, como ver claramente esta questão. Por um lado, querendo transformar este termo em uma palavra de censura e insulto, é chamado de egoísta para aqueles que atribuem a si mesmos a melhor parte nas riquezas, em honras, os prazeres corporais, para o vulgar senti tudo que a ansiedade mais aguda, e buscar diligentemente como esses bens são considerados o mais precioso de todos, são extremamente contestada. A disputa é tão quente, eles pensam apenas para satisfazer seus desejos, paixões e, em geral, a parte irracional da alma. Então, dirigindo a generalidade dos homens, eo nome vem dos caminhos egoístas do vulgar, que são deploráveis. Com boa razão, nesse sentido, é censurado egoísmo.

É inegável que quanto mais vezes você aplicar este nome egoísta de quem dá a todos esses prazeres grosseiros e só pensam em si mesmos. Mas se um homem constantemente seguir justiça propor mais precisão do que qualquer outra coisa, a prática sabedoria ou qualquer outra virtude a um nível superior, em uma palavra, pretendiese não reclamar por qualquer coisa que não seja trabalho, seria impossível para chamar egoísta ou censura. No entanto, isso teria tido mais egoísta do que os outros, uma vez que é concedido o mais bonito e melhor, e só beneficia a parte mais alta [257] seu ser dócil obediência às suas ordens. Assim como na política, a parte mais importante da cidade parece ser o próprio Estado, e como em todas as outras coisas, tais ordens é parte de todo o sistema, por isso é com o homem, e que deve passar principalmente egoísta é o amante dentro de si esse princípio é dominante e apenas satisfazê-lo. Se chamado homem temperado que domina, e destemperado, que não é dominado, como o motivo envia ou não envia-los, é porque a razão, aparentemente, é sempre identificado com o próprio indivíduo. É por isso que os atos que parecem ser o mais pessoal e mais voluntários, são aquelas feitas sob a direção da razão. É perfeitamente claro que este é o princípio soberano é, essencialmente, o indivíduo, e que o bom homem ama em detrimento de todos. Este conceito poderia ser dito que o homem bom é o mais egoísta de todos os homens, mas isso o egoísmo é muito diferente daquele dado um nome ofensivo. Este egoísmo nobre supera o egoísmo como vulgar, como viver de acordo com a razão de viver pela paixão, e, tanto quanto desejam o bem querer o que parece útil.

Ele acolhe a todos bem e elogia o aumento proposto acima de seus concidadãos, fazendo o bem. Se todos os homens luchasen somente em virtude e sempre dirigieren seus esforços para praticá-lo, toda a comunidade seria reunir todas as suas necessidades satisfeitas, e cada indivíduo em particular, possuem o maior dos bens, uma vez que a virtude é o mais precioso de todos . Seria duplo deduzir este resultado: em primeiro lugar, que o bom homem deve ser egoísta, porque fazer o bem, você vai encontrar tanto um grande ganho e servirá simultaneamente os outros e, por outro, o homem mau não é egoísta, ele só vai prejudicar a si mesmos e prejudicar a outros, seguindo suas paixões. Assim, em um homem mau, há uma discordância profunda entre o que fazer eo que ele faz, enquanto que o homem virtuoso não só o que fazer, porque toda a inteligência sempre escolher o que é melhor para ela e só o homem bom devido à inteligência e à razão.

É menos claro e preciso do que o homem virtuoso vai fazer muitas coisas por causa de seus amigos e de seu país, mas [258] para fazer concessões a sua vida e desprezar as riquezas, honras, em uma palavra, todos esses bens que o disputa multidão, reservando apenas para si a honra de fazer o bem. Como viver mais de um prazer, mas dura apenas alguns instantes, um gozo frio que dura um longo tempo. Quer mais viver com glória um ano {182} para viver muitos enigma, prefiro um belo e grande ação uma infinidade de atos vulgares. Este é, sem dúvida, a causa para estes homens oferta generosa, quando necessário, o sacrifício da sua vida. Reserva para si os amigos mais belas e nobres parte e de bom grado fez o sacrifício de sua fortuna, se a sua queda pode enriquecer. O amigo adquire riqueza, e ele mantém a honra, uma boa centena de vezes maior. Muito mais do que fazer o mesmo no que diz respeito a distinções e poder. Um bom homem vai deixar tudo isso para o seu amigo, porque ele viu a indiferença é a mais bela e louvável. Há realmente não é considerado virtuoso batota escolhendo a honra eo bom em detrimento de todos os outros. Um homem bom pode ser de livro para o seu amigo a glória de execução, e há casos em que é mais digna para deixar um amigo fazer uma coisa, fazê-lo sozinho.

Portanto, em todas as ações louváveis o homem virtuoso se encarrega desde que o bem maior, e isso é, mais uma vez, como um homem deve saber como ser egoísta. Mas deve ser liberado a partir dele, como se entende e, geralmente, o homem.
---

{182} Veja a Ilíada, canto IX, v 410 e seguintes, o que Aquiles diz de si mesmo e de sua mãe.

Local do texto original em espanhol - tradução Google Translator

Top Articles

Latest Posts

Article information

Author: Reed Wilderman

Last Updated: 11/14/2022

Views: 5326

Rating: 4.1 / 5 (72 voted)

Reviews: 87% of readers found this page helpful

Author information

Name: Reed Wilderman

Birthday: 1992-06-14

Address: 998 Estell Village, Lake Oscarberg, SD 48713-6877

Phone: +21813267449721

Job: Technology Engineer

Hobby: Swimming, Do it yourself, Beekeeping, Lapidary, Cosplaying, Hiking, Graffiti

Introduction: My name is Reed Wilderman, I am a faithful, bright, lucky, adventurous, lively, rich, vast person who loves writing and wants to share my knowledge and understanding with you.